Como a agricultura urbana pode melhorar a qualidade da alimentação

A ideia de produzir alimentos em meio às cidades já é realidade em diversos municípios do mundo, como é o caso do Japão, por exemplo. Lá, devido a pouca disponibilidade de solo, a chamada agricultura urbana é uma das opções para garantir a produção de frutas e hortaliças.

agricultura urbana

Cultivar em meio a centros urbanos vem sendo apontado por organizações e comunidades como uma alternativa importante de sustentabilidade que, além de ocupar espaços sem utilização, diminui a distância entre produtor e consumidor. Como os alimentos são produzidos na própria cidade ou no mesmo bairro, ocorre uma diminuição da necessidade de agentes de transporte e conservação. Além disso, desenvolve a economia local.

As hortas da cidade surgem também como garantia de segurança alimentar e cultivo de culturas diversas, o que não está no horizonte das grandes empresas do agronegócio. Outro ponto da agricultura urbana é a consciência sobre a origem dos alimentos e suas formas de cultivo.

Espaços para agricultura urbana

Os casos mais famosos de conexão entre agricultura e arquitetura urbana vêm do Japão, de Cuba e dos Estados Unidos. Os japoneses ficaram conhecidos por escolher coberturas de estações de trem para o cultivo de hortaliças. Nesse modelo, as pessoas podem arrendar uma área da cobertura, por um valor anual, para cultivar o que quiser.

A questão de Cuba está diretamente ligada a sua necessidade de suprir a demanda gerada a partir do colapso da relação entre o país americano e a então União Soviética. Nas sacadas, terraços, terrenos baldios, os cubanos passaram a plantar tomates, bananas, feijões, entre outros alimentos.

Nos Estados Unidos, a cidade de San Francisco implementou uma nova lei, em 2014, estabelecendo que os terrenos baldios que fossem destinados à agricultura urbana pagariam menos imposto. A ideia é que os espaços desocupados pudessem servir para uso produtivo, em benefício dos moradores, ao invés de ficarem abandonados.

Agricultura urbana no Brasil

Uma das maiores cidades do mundo, São Paulo também tem suas experiências com agricultura urbana. Muitos paulistanos da região metropolitana plantam e colhem alimentos em suas próprias residências ou em espaços próximos. A maioria pode ser observada na região da zona sul, considerado um cinturão verde da cidade.

Já, na zona leste, o cultivo ocorre principalmente em terrenos que não podem receber construções, como embaixo de linhas de transmissão, por exemplo. Além de abastecer as feiras dos arredores, a ocupação dos locais com a agricultura evita que eles sirvam de depósitos de lixo ou fiquem completamente abandonados.

No entanto, a cidade com maior produção em agricultura urbana no Brasil, segundo a FAO, é Belo Horizonte, em Minas Gerais. No último levantamento da organização, a capital mineira tinha 185 hortas de verdura e 48 hortas de frutas.

As cidades latino-americanas com maior produção de agricultura urbana

  1. Havana, Cuba
  2. Cidade do México, México
  3. Saint John, Antígua e Barbuda
  4. Tegucicalpa, Honduras
  5. Managua, Nicarágua
  6. Quito, Equador
  7. Lima, Peru
  8. El Alto, Bolívia
  9. Belo Horizonte, Brasil
  10. Rosário, Argentina

Manual para produção em hortas urbanas

Uma parceria entre o Instituto Pólis e a Fundação Banco do Brasil, resultou em uma cartilha para hortas urbanas. Composto por três partes, o manual aborda a preparação da horta, o cultivo das hortaliças e o modo de preparar alguns vegetais. A cartilha está disponível para download no site do Instituto Pólis, de maneira gratuita.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *