Medellín, na Colômbia, cria 30 corredores verdes no combate ao calor

A cidade colombiana de Medellín transformou 18 ruas e 12 hidrovias em corredores verdes, totalmente arborizados, para combater o calor da infraestrutura urbana. A iniciativa concentrou a arborização em áreas que não continham mais espaços verdes e conseguiu reduzir a temperatura em mais de 2ºC, de acordo com a prefeitura da cidade.

medellín corredor verde

A solução natural chegou a vencer um prêmio na área, o Ashden de Refrigeração Baseada na Natureza. Ela se enquadra nas ações que protegem, gerenciam de forma sustentável e restauram ecossistemas naturais ou modificados, abordando desafios sociais de forma eficaz e adaptável. Além disso, proporciona simultaneamente bem-estar humano e benefícios para a biodiversidade.

Problema com o calor

Assim como outras grandes cidades, Medellín sofre com o aumento das temperaturas e o impacto das ilhas de calor urbanas, potencializadas pelo concreto e pelo asfalto. Esses materiais absorvem a energia do sol irradiando calor e mantendo os espaços quentes, mesmo depois do pôr do sol e à noite. Os parques e corredores verdes podem reduzir a temperatura ambiente média em 1ºC.

Parece pouco, mas cada grau a menos exerce uma influência grande na temperatura e nas sensações térmicas dos centros urbanos. Isso também tem impacto no consumo de energia elétrica, já que, quanto mais quente, maior a demanda por ar condicionado.

– Medellín e muitas outras cidades estão mostrando como podemos mitigar e nos adaptar à mudança climática graças a soluções renováveis – diz Martina Otto, chefe da Unidade de Cidades da Organização das Nações Unidas ONU Meio Ambiente.

Refrigeração sustentável

Uma das preocupações atuais e futuras é com a capacidade de refrigeração dos ambientes de modo natural e sustentável. Se o cenário permanecer, estima-se que daqui a 30 anos, a refrigeração dos espaços vai consumir o mesmo volume de eletricidade já consumido atualmente por todos os setores e atividades na China e na Índia. Isso não é pouco.

De acordo com o diretor-executivo do programa Kigali de Eficiência de Refrigeração, Dan Hamza-Goodacre, à medida que as temperaturas globais aumentam, as dificuldades para manter os ambientes frescos estão se tornando um problema de saúde pública.

– Um planejamento urbano inteligente pode desempenhar um papel crucial no fornecimento de soluções de refrigeração, como telhados verdes e corredores verdes ou padrões mais altos de projetos de edifícios, que melhoram a eficiência e o resfriamento passivo.

Esse resfriamento passivo é o contraponto ao resfriamento ativo, quando é necessário recorrer a técnicas e aparelhos não sustentáveis para a diminuição do calor. O programa Kigali trabalha junto a governos, empresas e organizações internacionais para despertar o interesse em projetos inteligentes e planejamento urbano. Um dos objetivos do programa é impulsionar serviços de refrigeração à base de energia renovável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *